Pilates para condromalácia patelar

Pilates no tratamento da Condromalácia Patelar

A Condromalácia Patelar, também conhecida como “joelho de corredor”, é um grave caso no joelho e articulações, partes complexas do corpo humano, e suas funções são extremamente importantes nas funcionalidades que compõe o sistema locomotor, suas utilidades nas estruturas de ligação, musculatura e o sistema ósseo.

É evidenciada por sensações de dores, edemas e de crepitação retropatelar, que é uma desconfortável sensação rangedora nos joelhos. É uma patologia degenerativa e com esse processo desgasta e degenera a cartilagem das articulação da patela, formando assim uma cartilagem esponjosa, amolecida e tumefeita.

Esse processo acarreta no desequilíbrio funcional do músculo quadríceps femoral (músculo da coxa), devido ao aumento da dor local por causa da Condromalácia patelar, principalmente por motivos como a atrofia do músculo vasto medial (músculo que tem como função: estabilizar a medial da patela, extensão da perna e flexão da coxa) e também causa o encurtamento do trato iliotibial (músculo que une o glúteo máximo, médio e o tensor da fáscia lata). A patologia também está associada na aplicação da perda da cartilagem nos locais da patela.

A síndrome da dor patelofemural (SDPF) tem sua ocorrência na população demasiadamente alta, e cada vez evoluindo mais conforme o aumento da idade e é mais comum em pacientes femininas e pessoas com excesso de peso. Também, é muito incidente em pessoas fisicamente ativas, é frequente em lesões esportivas. Uma das principais causas que incomodam os pacientes nesse problema é a dor na parte frontal do joelho quando praticada atividades como agachar, correr, descer e subir escadas e andar de bicicleta, por exemplo. Quando se inicia o desenvolvimento da dor, ele normalmente vira-se uma patologia crônica, e assim o paciente acaba sendo forçado a interromper seu hábito nos esportes e exercícios.

O Método Pilates é um mecanismo extremamente eficaz para estabilizar a situação sintomatológica da Condromalácia patelar. Em razão de não apresentar contra-indicações absolutas. O Método Pilates é eficiente no aumento da flexibilidade das musculaturas da partes posteriores das pernas, resultando na causa de um menor atrito da patela com o fêmur durante atividades e no ganho da força muscular.

Classificação da Condromalácia Patelar

Por ser uma patologia que afeta diretamente as funcionalidades do sistema locomotor, é preciso entender como ele funciona. O sistema locomotor é constantemente usado e por isso está exposto a variados esforços e tensões, o que causa uma corriqueira instabilidade de suas articulações.

“O conjunto articular do joelho é constituído por quatro ossos diferentes: o fêmur, tíbia, fíbula e a patela. Esses ossos compõem suas articulações: tibiofemoral e femoropatelar” – Spence, 1991.” A articulação do joelho concede a sustentação das grandes cargas que nosso corpo deve suportar, e também, permite a mobilidade precisa para atividades de locomoção.” – Hall, 2009. Assim, a articulação do joelho é um componente que provoca a estabilidade quando em extensão completa – modo no qual possui atributos de suporte de esforços devido ao peso do corpo; e a mobilidade indispensável de trajeto e orientação do pé, em todos os aspectos.

Agora, vamos falar mais um pouco sobre as funcionalidades da patela e em relação com as articulações do joelho, para podermos entender melhor sobre a Condromalácia Patelar e depois como o Método Pilates auxilia e trabalha com os pacientes nessa disfunção.

Funcionalidades da Patela: Aumenta o ângulo de tração do tendão do quadríceps sobre a tíbia, acrescentando assim, a capacidade mecânica para o quadríceps realizar a extensão do joelho (Hall, 2009). Então, quando a patela é afetada, consequentemente, toda articulação do joelho envolvendo a estabilidade e mobilidade fica, de certa forma, comprometida.

De outra forma, ao realizar exercícios específicos com o joelho, segundo evidencias clinicas, causam o alinhamento da patela.

A Condromalácia Patelar: ou Condropatia Patelar, é a perda de cartilagem abrangendo uma ou mais porções da patela, sendo uma das mais lesadas em todo o corpo na população, principalmente em pessoas que participam de atividades físicas.  É caracterizada por um processo de degeneração da cartilagem articular da patela, tornando-a assim esponjosa e amolecida.

Segundo Hall, 2009: a Condromalácia Patelar também chamada de síndrome dolorosa patelofemoral, mistura dor na face anterior do joelho durante e depois de realização de exercícios físicos, ainda mais aqueles que requerem movimentos repetidos de flexão do joelho, como a corrida, descer e subir escadas e o agachamento.

A Condromalácia patelar tem quatro classificações, onde enquadra-se de acordo com o seu grau de deterioração, segundo Outerbridge (1961):

Grau I: amolecimento da cartilagem e edemas;

Grau II: Repartição e fissura da cartilagem ou rachaduras com uma área inferior a 1,3 cm aproximadamente.

Grau III: Repartição e fissura da cartilagem ou rachaduras em uma área superior ou igual a 1,3 cm aproximadamente.

Grau IV: erosão ou perda inteira da cartilagem da articulação, com exposição do osso subcondral.

Causas

O motivo exato ainda é de certa forma desconhecido. Todavia, acredita-se que esteja relacionada com fatores anatômicos, fisiológicos e histológicos, que acabam causando o enfraquecimento e o amolecimento da cartilagem articular. Também como,  as mudanças de alinhamento na patela, que movimenta-se fora da área adequada, provocando atrito entre sua superfície articular e a superfície articular do fêmur, ocasionando o “desgaste”. Essas modificações de alinhamento, na maioria, estão ligadas a desequilíbrios da musculatura do quadríceps como atrofias, hipotrofias e encurtamentos musculares, variações anatômicas tanto no fêmur como na patela.

As causas mais encontradas são: instabilidade articular, trauma direto, fraturas, aumento do ângulo do quadríceps, músculo vasto medial ineficaz, subluxação patelar, mau alinhamento pós-traumático, síndrome da pressão lateral excessiva e lesão do ligamento cruzado posterior.

Um dos fatores mais comuns envolvem os microtraumatismos de repetição, traumas crônicos por fricção entre a patela e o sulco patelar do fêmur. São bastante comuns esses traumas no esporte, com o excesso de exercícios repetitivos, ou em esportes de impacto, sobrecargas de peso ou corridas excessivas (como, futebol, vôlei, ciclismo, tênis, corrida, basquete e etc). Deve-se citar também a causa idiopática, quando não são identificadas as alterações anatômicas que justifiquem o desenvolvimento da patologia.

Nos indivíduos mais jovens, as contusões da cartilagem, se não forem tratadas com urgência, rirão decorrer em uma osteoartrose prematura (quando o osso tem contato direto com outro osso sem “auxilio” da cartilagem que fica entre eles).

O Método Pilates no tratamento da Condromalácia Patelar

O Método Pilates age de forma eficiente nesse tratamento, irá proporcionar o alinhamento da patela, assim causando a estabilização do quadro da Condromalácia patelar. Isso ocorre devido aos seus métodos que promovem o alongamento e os relaxamentos dos músculos encurtados ou lesionados e o seu consequente fortalecimento muscular. Sem muitos exercícios que causam o impacto, assim não ocasionando o desgaste articular com seus movimentos. Ainda com seu método promove técnicas que potencializando a respiração e seus benefícios, fornecendo e ajudando o equilíbrio muscular. Por ser uma técnica que não promove o desgaste, pois seu número de repetições é reduzido, ocasiona a prevenção e o tratamento de diversas patologias, principalmente as ocupacionais, como a Condromalácia patelar.

O Pilates por sua forma fantástica de agir nesse tratamento e com seus benefícios, cada dia ganha mais adeptos, como pessoas com patologias, como outros que buscam manter a saúde e também esportistas que querem melhorar seu desempenho e tratar ou prevenir danos. O Método Pilates controla o movimento, como os ângulos que irão ser exercitados ou a velocidade, acarretando no aumento da força muscular, equilíbrio, flexibilidade, coordenação motora, alongamento nas posturas corretas proporcionando assim a melhora do equilíbrio muscular do aluno que a exerce, e assim equilibra as forças atuantes sobre a patela.

Não existe um tratamento rígido no tratamento. É importante sempre analisar o grau da lesão adquirida, no caso da Condromalácia patelar e assim direcionar, sempre buscando reequilibrar o alinhamento da patela. Por isso, busque sempre uma clínica renomada com profissionais especializados da fisioterapia, para o seu eficaz tratamento. Agende uma aula experimental aqui na Omega4 e conheça nosso ambiente e profissionais, você irá se surpreender com os resultados. Além de tratamento para a Condromalácia patelar, irá perceber a melhora na qualidade de vida.

A história do método Pilates

Joseph Pilates, criador do método Pilates, teve experiências terríveis na infância, tendo doenças como asma, raquitismo e febre reumática. Por isso, ele sempre foi uma criança que se exercitava, afim de melhoras as condições do próprio corpo e não se sentir preso a ele.  Joseph sempre foi visto treinando de calção, pelo fato de possuir raquitismo e consequente deficiência em vitamina D, o que o deixou conhecido por esse estilo de roupa. Em seguida, Joseph Pilates começou a estudar de forma profunda as ciências biológicas do corpo humano, como a anatomia, a fisiologia, a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), física e biologia. Ele procurava ciências que mostravam tudo sobre o funcionamento do corpo humano de forma conjunta.  Em 1912, o jovem Pilates se mudou para a Inglaterra, virou lutador de boxe em Londres e ensinou defesa pessoal para a polícia metropolitana de lá.  Preso por ser alemão na Primeira Guerra Mundial, o jovem Pilates ensinou aos prisioneiros, inclusive os doentes, técnicas do próprio método para se exercitarem enquanto estavam isolados do resto do mundo. Após ser libertado, lançou as técnicas que eram chamadas de Contrologia, referentes ao controle da mente sobre o corpo, nome que depois foi adaptado para Pilates. Em 1967, aos 83 anos, Joseph Pilates morreu por complicações em um incêndio dentro de seu estúdio, mas sua esposa continuou disseminando o método ao resto do mundo.

Solicitar mais informações
omega4omega4omega4
Endereço Omega4 Estúdio do Corpo
Rua Osório Duque Estrada, 35 - Paraíso - São Paulo
11 2386-9717 | Whatsapp 11 94048-3704
contato@omega4.com.br