Pilates contra a diabetes

Pilates e a diabetes

O Diabetes é uma doença que traz diversas complicações ao corpo. E é um grande caso de preocupação de saúde pública pois tem altos índices de mortalidade. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), por volta de 13 milhões de indivíduos são diabéticos e esse número tende a aumentar anualmente.

Para quem é portador da Diabetes é de extrema necessidade estar sempre sabendo quais os níveis de açúcar no seu sangue, para ficar em dia com sua saúde.

Praticar exercícios físicos é uma forma de ajudar a manter o corpo saudável, ajudando na conquista de uma qualidade de vida com saúde. O Método Pilates é um ótimo auxiliador no tratamento do Diabetes, porque a técnica acelera o metabolismo do corpo auxiliando na queima de calorias pelo organismo e assim, ajuda no tratamento da Diabetes, no controle do açúcar no sangue de forma muito eficaz.

Ao exercitar-se com Pilates, o diabético irá trazer diversos benefícios para sua vida. Pois, é uma técnica que pode ser realizada por todos, sem exceções, tanto para a melhora do condicionamento físico, quanto para auxiliar no tratamento e na melhora de problemas de saúde, gerados por doenças, como é o caso do Diabetes.

Desse modo, veja mais um pouco sobre o Diabetes, como é, como funciona e também quais os benefícios de se praticar o Método Pilates para tratamento dessa patologia.

O que é Diabetes?

O Diabetes é uma doença crônica que atinge os humanos de uma maneira que aumenta os níveis de glicose no sangue, ou seja, o corpo não consegue fabricar a insulina (o hormônio que vai monitorar a quantidade de glicose no sangue), ou pode até fabricar a insulina, todavia não vai fabricar a quantidade necessária que o corpo precisa.

A manifestação do Diabetes acontece quando o corpo não consegue usufruir ou não usufrui de maneira correta os nutrientes que vêm da alimentação, da digestão (derivados de gorduras, proteínas e carboidratos). E o organismo usa-os para gerar energia e movimentação corporal, podendo ser armazenados pelos órgãos como o fígado, músculos e células de gordura.

Todos os corpos necessitam da insulina para o bom funcionamento do organismo, porque esse hormônio é o responsável pela utilização da glicose, que são conseguidos através dos alimentos, como os derivados já citados.

Desse modo, quando um indivíduo é portador de Diabetes, o organismo para de produzir insulina, e não vai conseguir usar a glicose de maneira correta. Sendo assim, o nível de glicose no sangue fica alto gerando a hiperglicemia.

Gerando esse problema ou quando ele se agrava, produz vários problemas no corpo humano, como o comprometimentos dos vasos sanguíneos e dos nervos. Entre os problemas pode-se mencionar:

Problemas de visão: o Diabetes pode chegar a gerar cegueira por comprometer os vasos sanguíneos;

Pele mais sensível: a pele do diabético fica mais sensível podendo se machucar com pequenas pancadas, ela também pode apresentar maior dificuldade de recuperação;

Doenças renais: pela grande quantidade nos níveis de açúcar no organismo, os rins acabam filtrando demasiado sangue e sobrecarregando os órgãos, com esse desgaste gera o risco de criar problemas renais.

Problemas com os membros inferiores: devido aos danos nos nervos, o Diabetes gera uma má circulação, e pode estimular a criação de rachaduras e calos nos pés.

O indivíduo diabético necessita ser tratado regularmente, porque apenas por meio do tratamento é que pode-se ser possível viver com qualidade de vida e sem danos a saúde.

Tipos de Diabetes

O Diabetes é segmentado em quatro tipos, que diferem no quadro do indivíduo e na patologia. São eles: o Tipo 1, Tipo 2, Pré-diabetes e diabetes pós-parto. Veja mais:

Tipo 1: O Diabetes do tipo 1 define-se pela aniquilação parcial ou total das células produtoras de insulina, das ilhotas pancreáticas. Gerando assim a incapacidade de fabricar insulina pelo organismo. O Diabetes do tipo 1 é uma doença crônica.

O Pâncreas esgota a sua condição de fabricar insulina por causa do erro no sistema imunológico do organismo, gerando assim com que as células responsáveis ataquem as células fabricadoras de hormônio.

Desse modo, esse tipo de diabetes é conhecido como o dependente de insulina. Ou seja, a pessoa depende de insulina durante toda a vida, após descobrir essa patologia. Será necessário aplicar insulina exógena diariamente para poder controlar os níveis de glicemia no organismo.

Tipo 2: Esse tipo é o mais comum dos casos de Diabetes e atinge geralmente indivíduos com obesidade e síndrome metabólica com normalmente idade acima de 40 anos. Todavia, pode afetar também indivíduos que têm o histórico dessa doença na família, pela genética.

Estima-se que a causa do diabetes do tipo 2, é a fabricação insuficiente de insulina, ou a dificuldade em usá-la. Nesses quadros os receptores de insulina estão com baixa sensibilidade e apesar dela ser fabricada o corpo não consegue usufrui-la de maneira adequada.

Desse modo, esse tipo de diabetes pode acontecer por uma incapacidade do corpo de utilizar a insulina da maneira adequada e esse fator é adquirido ao longo da vida, geralmente por maus hábitos como o sobrepeso, sedentarismo, alimentação calórica.

Pré-Diabetes: O pré-Diabetes é definido por uma condição em que a glicose no sangue está elevada, todavia, não é o bastante para ser classificado como quadro de Diabetes crônico.  

Diabetes pós-parto:  O Diabetes Gestacional é uma intolerância aos carboidratos, que é diagnosticado durante a gravidez podendo permanecer após o parto.

Esse tipo de Diabetes pode mudar não só o quadro clinico, mas também pode mudar o funcionamento de alguns órgãos e sistemas.

Durante a gestação, deve-se ter cuidados, pois o bebê por ficar muito exposto a grandes quantidades de glicose durante a gravidez, tem-se o risco de crescimento excessivo, podendo gerar partos traumáticos, hipoglicemia neonatal, obesidade e até mesmo Diabetes na sua vida adulta.

Prevenção da Diabetes e cuidados

Monitorar regularmente os níveis de glicemia no sangue;

Fazer trocas inteligentes como gorduras e açucares, por sementes oleaginosas;

Alimentação regrada, evitando alimentos muitos calóricos e com excesso de açúcar;

Beber muito líquido, priorizando muita água e sucos naturais sem açúcar;

Frequentar um médico regularmente para orientação e controle da doença;

Tomar medicação quando prescrita pelo médico;

Exercitar-se para um bom funcionamento do organismo.

Método Pilates e o Diabetes

Estudos mostram que os exercícios físicos supervisionados por um profissional capacitado, podem gerar uma grande avanço na melhoria dos níveis glicêmicos.

O Método Pilates que vai abranger exercícios lentos, controlados e supervisionados vão associar a respiração, metabolismo e a musculatura estabilizadora.

Desse modo, o Método Pilates se encaixa eficientemente nos benefícios para o tratamento do Diabetes, pois os seus movimentos com a intensidade adequada conforme a particularidade e necessidade de cada praticante, vai promover ao aluno um grande avanço no tratamento da doença.

Exercitar-se com o Pilates pelo menos 3 vezes por semana já vai auxiliar bastante no tratamento do Diabetes. Todavia, as pessoas que portam a Diabetes devem evitar exercícios que promovam desgastes e tensões em excessos, pois elas acabam gerando aumento nos níveis de açúcar no sangue. E, por isso, o Pilates é tão recomendado nesse tratamento, pois o profissional especializado vai analisar seu quadro e preparar suas sessões conforme seu quadro, suas particularidades e com os exercícios ideais para ajudar no quadro da doença, exercícios controlados.

Então, o Método Pilates é um aliado aos diabéticos, pois sempre vai ser observado e analisado o exercício mais indicado com a intensidade adequada para o aluno.

A prática do Pilates vai contribuir para os pacientes com diabetes na promoção do aumento da massa muscular, do gasto energético diário, ajuda no controle da ansiedade, que pode ser bastante maléfico ao diabético por causa da compulsão alimentar, auxilia para a aceleração do metabolismo e na melhoria do bem estar do paciente, reduzindo seus níveis de estresse e melhorando o seu humor.

O Pilates contribui para o manejo dos níveis de glicose no sangue, que é o principal foco da utilização das atividades físicas nos diferentes tipos do Diabetes. O exercício vai agir melhorando a capilarização, reduzindo a gordura visceral, combatendo a obesidade e melhorando a captação de glicose pelos músculos esqueléticos.

Vale ressaltar que nas sessões do Pilates o instrutor deve adequadas suas aulas com volumes, intensidades e frequências adequadas para cada aluno, para gerar o impacto sobre a glicemia do seu praticante a longo prazo e principalmente não usar de intervalos de recuperação maiores que 72h, pois os níveis glicêmicos voltam a altear após a rotina de atividade física interrompida.

Os 15 benefícios do Pilates para quem tem Diabetes

1. Ajuda na melhora a ação da insulina e de antidiabéticos orais;

2. Aumenta a captação da glicose pelos músculos (abaixando a glicose no sangue), e isso é até depois do exercício, no período de repouso, ou seja, melhora o controle dos níveis glicêmicos no sangue;

3. Vai melhorar a tolerância à glicose;

4. Diminui a perca da massa óssea;

5. Aumenta a massa muscular e a massa magra corporal;

6. Aumenta a disposição geral, o humor e a sensação de bem estar;

7. Diminui os motivos de riscos cardiovasculares, triglicérides e colesterol;

8. Aumenta o fluxo sanguíneo muscular e a circulação nos membros inferiores, desse modo, previne os efeitos da aterosclerose;

9. Auxilia no controle da ansiedade: evitando a compulsão alimentar;

10. Aumenta o gasto energético diário, auxiliando na aceleração do metabolismo pelo organismo e ajudando na circulação;

11. Aumenta a resistência física do corpo;

12. Melhora a saúde da pele;

13. Combate a obesidade e o sedentarismo;

14. Reduz o estresse diário, devido a liberação de hormônios durante a atividade, como a dopamina, serotonina e ocitocina;

15. Gera o equilíbrio do corpo e da mente, trazendo uma vida saudável e com qualidade.

A História do Método Pilates

Joseph Pilates, criador do Método Pilates, teve experiências terríveis na infância, tendo doenças como asma, raquitismo e febre reumática. Por isso, ele sempre foi uma criança que se exercitava, afim de melhoras as condições do próprio corpo e não se sentir preso a ele.  

Joseph sempre foi visto treinando de calção, pelo fato de possuir raquitismo e consequente deficiência em vitamina D, o que o deixou conhecido por esse estilo de roupa.

Em seguida, Joseph Pilates começou a estudar de forma profunda as ciências biológicas do corpo humano, como a anatomia, a fisiologia, a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), física e biologia.

Ele procurava ciências que mostravam tudo sobre o funcionamento do corpo humano de forma conjunta.  Em 1912, o jovem Pilates se mudou para a Inglaterra, virou lutador de boxe em Londres e ensinou defesa pessoal para a polícia metropolitana de lá.  

Preso por ser alemão na Primeira Guerra Mundial, o jovem Pilates ensinou aos prisioneiros, inclusive os doentes, técnicas do próprio método para se exercitarem enquanto estavam isolados do resto do mundo.

Após ser libertado, lançou as técnicas que eram chamadas de Contrologia, referentes ao controle da mente sobre o corpo, nome que depois foi adaptado para Pilates.

Em 1967, aos 83 anos, Joseph Pilates morreu por complicações em um incêndio dentro de seu estúdio, mas sua esposa continuou disseminando o método ao resto do mundo.

Conheça outras opções de Pilates:

Solicitar mais informações
omega4omega4omega4
Endereço Omega4 Estúdio do Corpo
Unidade Paraíso: Rua Osório Duque Estrada, 35 -  São Paulo
11 2386-9717 | WhatsApp 11 94048-3704
Unidade Moema: Avenida Divino Salvador, 669 - São Paulo
11 98827-7152
contato@omega4.com.br